História da EdTech: reflexões a partir de uma leitura preliminar

Imagem da capa em foto de Martin
Weller publicada em http://blog.edtechie.net/books/25-25/

Acaba de sair (hoje mais cedo!) o mais novo livro de Martin Weller, Professor Titular de Tecnologia Educacional na Open University do Reino Unido: 25 Years of EdTech, lançado pela AU Press (editora da Universidade de Athabasca, Canadá – veja aqui o catálogo de publicações na área da Educação). O livro está disponível gratuitamente em pdf – há também uma versão impressa (aqui) e outros formatos para eReader (aqui, aqui e aqui).

É claro que, em algumas poucas horas, não dá para fazer uma leitura aprofundada, mas quis dar uma rápida olhada hoje, pois estou finalizando o programa da disciplina de pós que darei neste semestre e achei que talvez fosse uma fonte interessante para utilizar com os alunos. Estou sempre à procura de publicações sobre a história da área, pois grande parte da literatura sobre Educação e Tecnologia parece carecer inteiramente de historicidade. Infelizmente, trabalhos focalizados nessa história são muito raros – de fato, Martin menciona a única lista que eu conhecia, compilada aqui por Audrey Watters, que também está para lançar um volume próprio sobre um assunto relacionado (aliás, a autora montou uma excelente linha do tempo das “máquinas de ensinar” aqui).

Enfim, o sumário (abaixo) reflete alguns aspectos importantes do livro. Em primeiro lugar, como qualquer “história”, só é possível abordar uma seleção de assuntos (nesse caso, o autor tomou um conjunto de artefatos / categorias de artefatos e rótulos / ideias da área). Além disso (e crucialmente), as escolhas feitas refletem os interesses, perspectivas e julgamentos do autor (o que me parece óbvio, mesmo que não seja consensual). Em qualquer obra dessa natureza, sempre restarão ausências importantes – de outra(s) perspectiva(s).

A minha leitura é que a história da EdTech contada por Martin está fortemente imbricada na história da Educação a Distância (EaD) e, em uma perspectiva mais ampla, na história da própria Educação no tocante à ampliação / democratização do acesso. Em outras palavras: o foco do livro é a EdTech na Educação Superior (daí ser totalmente compreensível a ausência de artefatos tais como o quadro branco interativo) e, em particular, em artefatos e ideias que tiveram (e/ou continuam a ter) “impacto”, sobretudo, em contextos de Educação a Distância (lembrando que o autor está comemorando 25 anos de vida profissional em uma instituição pioneira na área). Identifiquei várias menções, mesmo em minha leitura aligeirada, de exemplos da própria Open (não pude não sorrir lembrando do sistema FirstClass, sistema de comunicação que foi usado lá por muitos anos, antes da implantação do AVA institucional – baseado no Moodle). De qualquer forma, trata-se de uma seleção relevante no âmbito da EdTech pós-internet.

Tendo feito as ressalvas acima, acho que a seleção de assuntos é boa no sentido de ser pertinente de forma mais ampla – em parte, porque muitas instituições de ES (mundo afora) já estão envolvidas em iniciativas a distância (incluindo modelos ditos “híbridos”, que representam uma convergência presencial / a distância ). Alguns temas não foram (ou não têm sido muito) discutidos por aqui (por exemplo MOOC, Blockchain e Badges, que têm sido all the rage na Europa há um tempo – para ter uma ideia disso, é só buscar por publicações no site do Joint Research Centre da Comissão Europeia), mas o próprio autor reconhece seu posicionamento e viés. De fato, a EdTech pode bem ser vista como um eixo integrante de um projeto mais amplo cujo desenvolvimento tem sido dominado por atores baseados em países do eixo anglo-saxão, sobretudo os EUA e a Inglaterra (veremos o que o futuro nos trará da Ásia – a Inteligência Artificial está florescendo na educação chinesa, por exemplo, e certamente a tecnologia em questão não é meramente importada). A EdTech carece de diversidade de múltiplas formas (veja aqui outro texto de Weller sobre a “retórica do Vale do Silício” – em inglês -, boa leitura para acompanhar o clássico de Richard Barbrook e Andy Cameron, A Ideologia Californiana), e Weller reforça esse ponto dedicando a maior parte de seus agradecimentos a uma lista relativamente longa de mulheres envolvidas na área.

Na Introdução, o autor também ressalta a questão da falta de historicidade da área, que denomina de “amnésia histórica da EdTech”, mas chama de “pedantismo histórico” a sua própria tentativa de contribuir para resolver esse problema. Acho uma pena depositar a questão na “conta” de um suposto pedantismo acadêmico – ao longo do texto, há exemplos que mostram, de forma contundente, como a falta de atenção à história (e aqui deveríamos incluir, na verdade, a História da Educação) é uma lacuna produtivamente explorada por discursos de marketing da indústria da EdTech. Um dos exemplos são os famigerados MOOC – experimentação e questionamentos ainda da década de 1990 foram reciclados nos discursos que promovem MOOC como a grande “perturbação” (o original em inglês, disruption, já gerou um neologismo horroroso para nós, do qual pouparei o leitor) que irá “revolucionar” a educação. Eu diria o contrário de Martin: para mim, parece não haver “pedantismo histórico” suficiente no momento…

E daí decorre um outro aspecto interessante da história que o autor conta, ressaltado na introdução: o que ele chama de “a virada distópica da EdTech”, apontada como sinal de um “amadurecimento da área”. Um dos objetivos declarados do livro é destacar a necessidade de abordagens críticas à EdTech. Compartilho dos sentimentos de Weller com relação às repetidas “reinvenções da roda” na EdTech, sobretudo nos discursos que professam a “inevitabilidade” das tecnologias digitais (discursos de venda) e têm, infelizmente, sido aceitos e reproduzidos mesmo na academia (tenho aqui um texto em esboço sobre discursos da “inovação”, mas o tédio de escrever sobre isso tem me vencido há anos). São discursos minimamente ingênuos e, no outro extremo, totalmente marketeiros. Realmente, as vozes críticas na EdTech pareceram ser poucas durante muito tempo (notadamente, Neil Selwyn e, posteriormente / em outras paragens, Audrey Watters), mas a questão aqui, creio, é de definição de fronteiras. Há debates em torno do status da própria Educação como campo (no sentido de Bourdieu – veja aqui, por exemplo) – o que dizer sobre a EdTech (ou a Educação e Tecnologia)?

Muitas das noções que circulam tanto na EdTech descrita por Martin, quanto na Educação e Tecnologia (como subárea da Educação), remetem a temáticas e questionamentos que só fui encontrar tratados, com aprofundamento teórico, na Filosofia da Tecnologia e em trabalhos empíricos de áreas mais recentes (por exemplo, no escopo da sociologia digital). É uma área em construção, com muito território para ser explorado (se abordagens críticas são uma novidade para você, veja aqui algumas leituras para um excelente começo). Martin oferece críticas contextualizadas mas pontuais ao longo do texto – como contraponto, recomendo a leitura do blog de Audrey Watters, que, no final de 2019, virou as baterias com decisão contra os discursos vazios da indústria em uma lista comentada dos 100 maiores fracassos da EdTech na última década – esta aí uma leitura que qualquer interessado em EdTech deveria fazer.

Um outro aspecto interessante do livro é que se trata de mais um produto de uma forma de digital scholarship: o autor mantém um ótimo blog há muitos anos, e sua inserção na blogosfera da área permite um tipo de interação continuada com colegas. A construção e gestão de uma “identidade digital” por parte de acadêmicos (via blogs e uso de plataformas de redes sociais) foram assuntos discutido em um de seus livros anteriores, mas são mencionados de pasagem em 25 Years of EdTech.

Na conclusão, Martin se aventura a fazer algumas previsões (comedidas) a partir de algumas “lições” aprendidas em seus 25 de edtechie. Entre elas, a ideia que a tecnologia não é neutra – base para qualquer discussão sóbria e crítica sobre a tecnologia digital.

Bem, foram acima algumas observações dessa leitura aligeirada do dia, mas que será bastante interessante para levar aos mestrandos e doutorandos. Para mim, a reflexão será a seguinte: a “evolução” da EdTech – inclusive conforme sugerida na progressão de artefatos e ideias mostrados no sumário do livro – parece convergir em torno de uma crescente automação da educação. Essa lógica parece também apoiar as múltiplas metáforas que estou identificando em minhas pesquisas atuais.

No capítulo sobre e-Learning, Martin fala sobre os custos da EaD (infelizmente, no Brazil a ideia é que EaD – o que quer que isso signifique – é uma forma mais barata de oferecer educação). No modelo da Open, os custos nunca foram desprezíveis, mas os gastos mais significativos sempre estiveram na produção dos cursos (em equipes), com valores bem menores dedicados à apresentação (gestão geral e apoio tutorial) – aqui há alguns esquemas que mostram como as coisas eram feitas (mudaram um pouco desde 2014, de fato, com aumento significativos da padronização de processos em comparação ao que encontrei em 1998). Martin diz claramente: com a introdução de tecnologias da Web, a divisão dos custos mudou mas não diminuiu drasticamente (p. 46-47). Em um contexto visto a partir de planilhas de gastos nas quais o custo com pessoal (não apenas docentes) é ressaltado, a automação de processos se mostra como algo desejável. Mas essa não é uma tendência apenas de uma instituição, ou mesmo da educação…

Para fechar, um momento nostalgia: a área de trabalho na versão de FirstClass que usávamos no primeiro ano do curso T717 You, your computer and the net, que Martin menciona no livro. Eu adorava a interface, gráfica e com múltiplas janelas (foi mudando ao longo do tempo, com a adição de funcionalidades extra, como “puxadinhos”, que terminaram gerando um aplicativo pesado e não tão bacana de usar). As coisas que guardamos em nossos HD…

Futuros especulativos para a pesquisa crítica em EdTech

Imagem adaptada de “DSC_4394” by kont1n (CC BY 2.0)

Está disponível – agora completo! – Education and technology into the 2020s: speculative futures, o primeiro número do volume 45 da revista Learning, Media and Technology, que reúne trabalhos de alguns dos grupos e pesquisadores envolvidos na rede (em construção) de pesquisas críticas em EdTech (Critical EdTech) idealizada por Neil Selwyn (Universidade de Monash, Austrália), pesquisador internacionalmente respeitado na área, e Thomas Hillman (Universidade de Gotemburgo, Suécia).

O DEdTec, que integra essa rede, contribuiu não apenas com um artigo, mas também com a escrita do editorial, assinado pelos líderes dos grupos participantes e intitulado What’s next for Ed-Tech? Critical hopes and concerns for the 2020s.

Eis o sumário completo:

(Editorial) What’s next for Ed-Tech? Critical hopes and concerns for the 2020s, de Neil Selwyn (Austrália), Thomas Hillman (Suécia), Rebecca Eynon (Inglaterra), Giselle Ferreira (Brasil), Jeremy Knox (Escócia), Felicitas Macgilchrist (Alemanha) & Juana M. Sancho-Gil (Espanha)

Brave new platforms: a possible platform future for highly decentralised schooling, de Thomas Hillman, Annika Bergviken Rensfeldt & Jonas Ivarsson (Suécia)

Can we avoid digital structural violence in future learning systems?, de Niall Winters, Rebecca Eynon, Anne Geniets, James Robson & Ken Kahn (Inglaterra)

Machine behaviourism: future visions of ‘learnification’ and ‘datafication’ across humans and digital technologies, de Jeremy Knox, Ben Williamson & Sian Bayne (Escócia)

Metaphors we’re colonised by? The case of data-driven educational technologies in Brazil, de integrantes do DEdTec (Brasil)

Moving beyond the predictable failure of Ed-Tech initiatives, de Juana M. Sancho-Gil, Pablo Rivera-Vargas & Raquel Miño-Puigcercós (Espanha e Chile)

Students and society in the 2020s. Three future ‘histories’ of education and technology, de Felicitas Macgilchrist, Heidrun Allert & Anne Bruch (Alemanha)

What might the school of 2030 be like? An exercise in social science fiction, de Neil Selwyn, Luci Pangrazio, Selena Nemorin & Carlo Perrotta (Austrália)

Outras ações estão previstas para a consolidação dessa rede – oportunamente postarei atualizações. Por hora, ficam as indicações de materiais para leitura (alguns artigos estão disponíveis open access): bons estudos!

Recursos para discussões críticas na área da Educação e Tecnologia

Tirei meia dúzia de volumes das minhas estantes para doar, e encontrei outra meia dúzia (eufemismo…) que nem lembrava que tinha (caso de uma anti-biblioteca em expansão). Rearrumei tudo, e agora ficou fácil de achar o que não lembrava que tinha, mas ainda confuso encontrar o que de fato estou procurando. Alegrias acadêmicas…

Em meio às preparações para o semestre, andei revirando anotações, arquivos e impressos variados. Na verdade, aproveitei parte das férias para organizar meus livros, artigos impressos e, principalmente, arquivos (tentando evitar ter que pagar à Google por mais espaço de armazenamento…) – não consegui terminar esse trabalho com os arquivos, mas sigo com esperança que, um dia, conseguirei ter tudo catalogado e fácil de encontrar (talvez no lindo mundo dos slow professors defendido aqui)…

Acabei minerando materiais do blog Diálogos sobre TIC e Educação, que mantive com colegas durante meus anos como líder do grupo TICPE no PPGE/UNESA. Em breve, esse blog deverá ser transformado, talvez em legado, daí achei interessante tirar de lá uma lista de recursos produzidos ao longo dos anos mas que ainda são bastante atuais.

Dentre as traduções (varias incluídas no volume bilíngue Educação e Tecnologia: abordagens críticas), destaco as seguintes:

Na categoria “Perspectivas críticas”, há várias postagens pertinentes, incluindo vídeos feitos pelos autores que colaboraram na divulgação inicial do volume Educação e Tecnologia: perspectivas críticas (esses, especificamente, estão no Canal TICPE no YouTube).

Na categoria “Disciplinas“, há diversas listas de leituras; a maioria já está desatualizada, infelizmente, mas as seleções podem ser úteis para quem está começando a levantar literatura para compor seu projeto ou montar sua(s) disciplina(s). Há, também, slides de algumas apresentações (minhas e de colegas), que contém listas de referências interessantes (aqui e aqui, por exemplo). Depositei alguns em meu perfil no site Slideshare.

Enfim, listei alguns dos recursos que acessei enquanto pensava as disciplinas do semestre – talvez seja útil a alguém.

Novas publicações saindo do forno…

Estão disponíveis duas novas coletâneas organizadas por Daniel Mill, Braian Veloso, Glauber Santiago e Marilde Santos, do Grupo Horizonte da UFSCar: Escritos sobre Educação e Tecnologias: entre provocações, percepções e vivências e Escritos sobre Educação a Distância: perspectivas e dimensões teórico-práticas.

Ainda terei que esperar alguns dias para que os volumes me cheguem às mãos, mas certamente virão somar a uma coleção crescente de bons recursos produzidos com a mediação do Grupo Horizonte, cujo líder, Daniel Mill, organizou o excelente Dicionário Crítico de Educação e Tecnologias e de Educação a Distância.

Clique aqui para baixar o sumário de Escritos sobre Educação e Tecnologias: entre provocações, percepções e vivências, no qual tenho um capítulo em coautoria com os queridos Jaciara Carvalho e Márcio Lemgruber do PPGE/UNESA. Nosso capítulo é intitulado “Educação e Tecnologia: pró-vocações para o desenvolvimento de criticidade”.

Clique aqui para baixar o sumário de Escritos sobre Educação a Distância: perspectivas e dimensões teórico-práticas, que inclui um capítulo da colega de departamento Magda Pischetola, escrito com Lyana de Miranda. Lyana acaba de chegar no Dept. de Educação da PUC-Rio para fazer seu pós-doc com a Magda, e seu capítulo é intitulado “O potencial didático do audiovisual: o caso dos Mooc”.

*What’s next for EdTech?* Artigo publicado

Comecei meu dia com uma excelente surpresa: chegou uma notificação de publicação ahead of print do artigo What’s next for EdTech? Critical hopes and concerns for the 2020s. Trata-se de um texto a várias mãos, uma coautoria dos líderes dos diversos grupos de pesquisa que contribuíram para o número especial da revista Learning, Media and Technology a sair oficialmente em 2020 (parte do material já está disponível ahead of print, como o nosso artigo sobre metáforas de Big Data).

Além dos organizadores do número, Neil Selwyn (Universidade de Monash, Austrália) e Thomas Hillman (Universidade de Gotemburgo, Suécia), contribuíram para o artigo Rebecca Eynon, do Oxford Internet Institute, Universidade de Oxford, Jeremy Knox, da Universidade de Edimburgo, Escócia, Felicitas Macgilchrist, da Universidade de Göttingen, e Juana M. Sancho-Gil, da Universidade de Barcelona.

O texto funcionará como um editorial with a twist: em vez da usual apresentação (burocrática) dos artigos que compõem o número, apresenta-se uma discussão de desafios para a pesquisa na área. A escrita partiu de um exercício proposto pelos organizadores norteado por três princípios:

especular sobre o futuro em termos plausíveis (em vez de fantásticos);

distinguir entre o que é provável, o que é possível e o que é preferível;

pensar em “futuros”, plural, isto é, estar aberto à ideia de variações e direções diferentes que podem muito bem se desenvolver nos próximos anos.

(tradução livre)

Assim, não se trata de futurologia, mas sim de vislumbrar cenários possíveis com base em empiria e teorização do presente.

Realmente é uma grande honra para mim fazer parte desse grupo de pesquisadores mundialmente respeitados, e devo muitos agradecimentos ao Neil pelo convite inicial para integrar a rede internacional que ele e Thomas estão construindo na área de EdTech Crítica.

Assim que todos os artigos estiverem disponíveis, farei uma postagem com links e resumos.

Por hora: tenho 50 e-prints gratuitas do artigo para disponibilizar, então deixo aqui o link para quem estiver interessado.

Boas leituras!

ATUALIZAÇÃO em 24/11/2019: o artigo agora está livre a abertamente disponível – clique aqui para baixar ou ler on-line!

Leitura do fim de semana (furando a fila…)

Chegou ontem (fresquinho do forno e ainda em fase de pré-venda por aqui) o novo livro de Neil Selwyn, Should Robots replace Teachers?, publicado pela Polity.

A contracapa diz o seguinte (tradução livre):

Desenvolvimentos em AI [Inteligência Artificial] e Big Data estão mudando a natureza da educação. Contudo, as implicações dessas tecnologias para a profissão docente são incertas. Enquanto a maior parte dos educadores permanece convencida da necessidade de professores humanos, para além dessa classe de profissionais antecipa-se uma reinvenção da docência e da aprendizagem.

A partir de uma análise de desenvolvimentos tecnológicos tais como robôs-professores autônomos, sistemas de tutoria inteligentes, Learning Analytics [Analíticas da Aprendizagem] e tomada de decisão automatizada, Neil Selwyn ressalta a premência de discussões detalhadas sobre a capacidade a AI replicar qualidades sociais, humanas e cognitivas do professor humano. O autor conduz a discussão sobre AI e educação no domínio dos valores, julgamentos e política, defendendo, basicamente, que a integração de qualquer tecnologia na sociedade precisa ser apresentada como uma escolha.

Além de um prefácio curtinho, o livro tem cinco capítulos:

  • AI, robótica e a automação da docência
  • Robôs na sala de aula
  • Tutoria inteligente e assistentes pedagógicos
  • Tecnologias de “bastidores”
  • Revitalizando a docência para a era da AI

Selwyn é bem conhecido como um crítico sagaz dos discursos exagerados em torno da dita “potência” da tecnologia, e o posicionamento da tecnologia como escolha é algo que permeia seu trabalho. Como diz ele no final do prefácio, “não podemos saber ao certo o que acontecerá, mas deveríamos, ao menos, ter clareza sobre o que preferiríamos que acontecesse”.

Vou tentar dar uma diagonal rápida neste final de semana e postar alguns comentários sucintos – e assim, foi-se o planejamento prévio…



e-prints gratuitas de artigos recém-publicados!

Finalmente consegui acessar minha conta no sistema da Taylor & Francis Online e retirar de lá os links que oferecem e-prints gratuitos dos nossos artigos publicados recentemente na revista Learning, Media and Tecnology.

Então, as primeiras 50 pessoas que clicarem poderão acessar os artigos sem custo!

FERREIRA et al (2019) Metaphors we’re colonised by? The case of data-driven technologies in Brazil – clique aqui

FERREIRA & LEMGRUBER (2019) Great Expectations: a critical perspective on Open Educational Resources in Brazil – clique aqui.

Se você clicar nos links e as e-prints já estiverem esgotadas, poderá acessar as versões pré-publicação em meu perfil na plataforma academia.edu ou aqui (Metaphors) e aqui (Great Expectations). Versões com formatação mais agradável podem ser baixadas do perfil de Alexandre Rosado no academia.edu.

Boas leituras!

Metáforas da Educação e Tecnologia: versões de artigos para baixar livremente

Acabo de subir para o meu perfil da plataforma academia.edu as versões aceitas dos artigos publicados recentemente da revista Learning, Media and Technology. As versões são muito próximas aos textos publicados, que necessitam de acesso via assinatura (o preço de artigos isolados é absurdo para nós, nem comentemos sobre isso…).

Se alguém estiver interessado em ler os trabalhos, mas tiver problemas em acessá-los no academia, o material está aqui também: Great Expectations: a critical perspective on Open Educational Resources in Brazil (parceria com Márcio Lemgruber) e Metaphors we’re colonised by? The case of data-driven educational technologies in Brazil (parceria com Alexandre Rosado, Márcio Lemgruber e Jaciara Carvalho).

Estou aguardando um reset da minha senha no sistema da revista (são tantas as senhas, me escapam da memória frequentemente), pois cada um dos autores recebe 50 e-prints para distribuir, mas preciso acessar o sistema para pegar o link pertinente. Em breve, circularei esse link aqui, e as primeiras 50 pessoas a acessarem poderão baixar o artigo na versão publicada pela revista.

Boas leituras!

Metáforas de Big Data, educação e novas formas de colonização: artigo publicado!

Acaba de ser publicado ahead of print o artigo Metaphors we’re colonised by? The case of data-driven educational technologies in Brazil, na revista Learning, Media and Technology. O artigo integrará um número temático organizado por Neil Selwyn e Thomas Hillman, que deverá sair no início de 2020 com o título “Education and Technology into the 2020s: speculative futures”.

A história desse trabalho é um pouco longa, daí a grande alegria que senti ao ver a notificação da editora em minha caixa de correio ontem pela manhã. As ideias começaram a surgir em 2015, foram amadurecendo ao longo de um tempo de discussões e estudos, e resultaram, por fim, no projeto atual formalizado em final de 2017, como resumido aqui. Este artigo, em particular, é fruto de um trabalho cuidadoso com um corpo de dados relativamente extenso e uma literatura que começou a surgir mais ou menos ao mesmo tempo em que íamos progredindo com as análises.

Enfim, aqui está uma versão em português do abstract de nossa proposta inicial:

Este artigo discute questões imbricadas na disseminação de tecnologias educacionais baseadas em dados no Brasil. No país, como em outros locais, a Tecnologia Educacional (TecEdu) continua a ser defendida com base em discursos otimistas que a constroem como uma panaceia para problemas sociais historicamente enraizados. Ainda que algumas dessas tecnologias tenham realmente contribuído para importantes programas de ampliação do acesso à educação nas duas últimas décadas, a defesa do “solucionismo tecnológico”, refletida em políticas públicas que articulam demandas cada vez mais fortes de melhoria de eficiências através da “inovação”, tem apoiado a mercantilização implacável dos sistemas educacionais do país. À medida que corporações transnacionais, discretamente posicionadas, assumem o controle de áreas-chave desses sistemas, ameaçando reestruturar todo o setor, tecnologias educacionais baseadas em dados – e outras noções da TecEdu apresentadas como “soluções” para ditas necessidades educacionais – fornecem o último exemplo em uma série de “novas” ideias ofertadas em um mercado em constante expansão. No entanto, essas ideias tendem a ser importadas e implantadas de maneiras frequentemente inconsistentes com as necessidades locais reais. Adotando como referencial teórico um recorte da literatura que explora implicações culturais e políticas da noção de “metáforas conceituais” proposta por Lakoff e Johnson – metáforas que encapsulam maneiras específicas de perceber, pensar e relacionar-se com o mundo – este artigo discute metáforas-chave em discursos acerca de tecnologias educacionais baseadas em dados no Brasil. Com base em dados empíricos coletados de fontes institucionais, midiáticas e de marketing abertas on-line, bem como literatura acadêmica sobre a política da tecnologia, o artigo analisa maneiras nas quais certas metáforas promovem perspectivas que ignoram a diferença e obscurecem questões mais amplas da educação, reproduzindo, assim, problemas previamente existentes. Considerando que dados estão sendo concebidos como o “óleo” que deverá impulsionar uma educação anacrônica para o futuro, por um lado, e reconhecendo a capacidade local reduzida para (pelo menos) adaptar sistemas importados, por outro, o artigo examina criticamente um cenário em que as metáforas da TecEdu talvez estejam a apoiar novas formas de colonização.

Estamos trabalhando em outros produtos dessa parte da pesquisa para disseminação em português, mas, por hora, disponibilizo a versão aceita para publicação, produzida após duas rodadas de revisão por pareceristas e extensas revisões.

Clique aqui para baixar um pdf do artigo em sua versão aceita para publicação.

Clique aqui para acessar a página da revista relativa ao artigo.

Número especial da revista *Learning, Media and Technology*

Acaba de ser lançado o volume 44, número 3, da revista Learning, Media and Technology, LMT, organizado por Michael Gallagher e Jeremy Knox com o título Global Technologies, Local Practices.

O número contém 11 artigos escritos por autores baseados, predominantemente, no “Sul global”, conforme a proposta da chamada original lançada em 2018. Eis o sumário:

1 – Global technologies, local practices – Michael Gallagher & Jeremy Knox

2 – Global-local divides and ontological politics: feminist STS perspectives on mobile learning for community health workers in Kenya – Jade Vu Henry, Martin Oliver & Niall Winters

3 – De-coding or de-colonising the technocratic university? Rural students’ digital transitions to South African higher education – Sue Timmis & Patricia Muhuru.

4 – WhatsApp use among African international distance education (IDE) students: transferring, translating and transforming educational experiences – Clare Madge, Markus Roos Breines, Mwazvita Tapiwa Beatrice Dalu, Ashley Gunter, Jenna Mittelmeier, Paul Prinsloo & Parvati Raghuram

5 – Southern agency and distance education: an ethnography of open online learning in Dilli, Timor-Leste – Monty King, Martin Forsey & Mark Pegrum

6 – Young black women curate visual arts e-portfolios: negotiating digital disciplined identities, infrastructural inequality and public visibility – Travis Noakes

7 – Great Expectations: a critical perspective on Open Educational Resources in Brazil – Giselle Martins dos Santos Ferreira & Márcio Silveira Lemgruber

8 – An exploration of agency in the localisation of open educational resources for teacher development – Freda Wolfenden & Lina Adinolfi

9 – Refugees and online education: students perspectives on need and support in the context of (online) higher education – Belma Halkik & Patricia Arnold

10 – Digital neocolonialism and massive open online courses (MOOCs): colonial pasts and neoliberal futures – Taskeen Adams

11 – The postdigital challenge of redefining academic publishing from the margins – Petar Jandric & Sarah Hayes.

Acabo de baixar os artigos para ler nos próximos dias (infelizmente, a LMT é paga – e muito bem pagam, por sinal) – a revista está catalogada no Portal de Periódicos da CAPES, mas o acesso depende de assinatura. Tentarei postar resumos curtos aqui.

Alguns dos artigos prometem discutir assuntos que têm estado “no radar” do DEdTEc – novas formas de colonialismo no universo da Educação Aberta e, sobretudo, a partir de processos de datificação, e teorização feminista – mas todos, sem exceção, representam visões periféricas da Educação e Tecnologia.

Por fim… sim, o número inclui um artigo meu e do Márcio Lemgruber – mais um produto de um #orgulhodeparceria! Temos alguns e-prints gratuitos para distribuir – entre em contato e lhe enviaremos.