História da EdTech: reflexões a partir de uma leitura preliminar

Imagem da capa em foto de Martin
Weller publicada em http://blog.edtechie.net/books/25-25/

Acaba de sair (hoje mais cedo!) o mais novo livro de Martin Weller, Professor Titular de Tecnologia Educacional na Open University do Reino Unido: 25 Years of EdTech, lançado pela AU Press (editora da Universidade de Athabasca, Canadá – veja aqui o catálogo de publicações na área da Educação). O livro está disponível gratuitamente em pdf – há também uma versão impressa (aqui) e outros formatos para eReader (aqui, aqui e aqui).

É claro que, em algumas poucas horas, não dá para fazer uma leitura aprofundada, mas quis dar uma rápida olhada hoje, pois estou finalizando o programa da disciplina de pós que darei neste semestre e achei que talvez fosse uma fonte interessante para utilizar com os alunos. Estou sempre à procura de publicações sobre a história da área, pois grande parte da literatura sobre Educação e Tecnologia parece carecer inteiramente de historicidade. Infelizmente, trabalhos focalizados nessa história são muito raros – de fato, Martin menciona a única lista que eu conhecia, compilada aqui por Audrey Watters, que também está para lançar um volume próprio sobre um assunto relacionado (aliás, a autora montou uma excelente linha do tempo das “máquinas de ensinar” aqui).

Enfim, o sumário (abaixo) reflete alguns aspectos importantes do livro. Em primeiro lugar, como qualquer “história”, só é possível abordar uma seleção de assuntos (nesse caso, o autor tomou um conjunto de artefatos / categorias de artefatos e rótulos / ideias da área). Além disso (e crucialmente), as escolhas feitas refletem os interesses, perspectivas e julgamentos do autor (o que me parece óbvio, mesmo que não seja consensual). Em qualquer obra dessa natureza, sempre restarão ausências importantes – de outra(s) perspectiva(s).

A minha leitura é que a história da EdTech contada por Martin está fortemente imbricada na história da Educação a Distância (EaD) e, em uma perspectiva mais ampla, na história da própria Educação no tocante à ampliação / democratização do acesso. Em outras palavras: o foco do livro é a EdTech na Educação Superior (daí ser totalmente compreensível a ausência de artefatos tais como o quadro branco interativo) e, em particular, em artefatos e ideias que tiveram (e/ou continuam a ter) “impacto”, sobretudo, em contextos de Educação a Distância (lembrando que o autor está comemorando 25 anos de vida profissional em uma instituição pioneira na área). Identifiquei várias menções, mesmo em minha leitura aligeirada, de exemplos da própria Open (não pude não sorrir lembrando do sistema FirstClass, sistema de comunicação que foi usado lá por muitos anos, antes da implantação do AVA institucional – baseado no Moodle). De qualquer forma, trata-se de uma seleção relevante no âmbito da EdTech pós-internet.

Tendo feito as ressalvas acima, acho que a seleção de assuntos é boa no sentido de ser pertinente de forma mais ampla – em parte, porque muitas instituições de ES (mundo afora) já estão envolvidas em iniciativas a distância (incluindo modelos ditos “híbridos”, que representam uma convergência presencial / a distância ). Alguns temas não foram (ou não têm sido muito) discutidos por aqui (por exemplo MOOC, Blockchain e Badges, que têm sido all the rage na Europa há um tempo – para ter uma ideia disso, é só buscar por publicações no site do Joint Research Centre da Comissão Europeia), mas o próprio autor reconhece seu posicionamento e viés. De fato, a EdTech pode bem ser vista como um eixo integrante de um projeto mais amplo cujo desenvolvimento tem sido dominado por atores baseados em países do eixo anglo-saxão, sobretudo os EUA e a Inglaterra (veremos o que o futuro nos trará da Ásia – a Inteligência Artificial está florescendo na educação chinesa, por exemplo, e certamente a tecnologia em questão não é meramente importada). A EdTech carece de diversidade de múltiplas formas (veja aqui outro texto de Weller sobre a “retórica do Vale do Silício” – em inglês -, boa leitura para acompanhar o clássico de Richard Barbrook e Andy Cameron, A Ideologia Californiana), e Weller reforça esse ponto dedicando a maior parte de seus agradecimentos a uma lista relativamente longa de mulheres envolvidas na área.

Na Introdução, o autor também ressalta a questão da falta de historicidade da área, que denomina de “amnésia histórica da EdTech”, mas chama de “pedantismo histórico” a sua própria tentativa de contribuir para resolver esse problema. Acho uma pena depositar a questão na “conta” de um suposto pedantismo acadêmico – ao longo do texto, há exemplos que mostram, de forma contundente, como a falta de atenção à história (e aqui deveríamos incluir, na verdade, a História da Educação) é uma lacuna produtivamente explorada por discursos de marketing da indústria da EdTech. Um dos exemplos são os famigerados MOOC – experimentação e questionamentos ainda da década de 1990 foram reciclados nos discursos que promovem MOOC como a grande “perturbação” (o original em inglês, disruption, já gerou um neologismo horroroso para nós, do qual pouparei o leitor) que irá “revolucionar” a educação. Eu diria o contrário de Martin: para mim, parece não haver “pedantismo histórico” suficiente no momento…

E daí decorre um outro aspecto interessante da história que o autor conta, ressaltado na introdução: o que ele chama de “a virada distópica da EdTech”, apontada como sinal de um “amadurecimento da área”. Um dos objetivos declarados do livro é destacar a necessidade de abordagens críticas à EdTech. Compartilho dos sentimentos de Weller com relação às repetidas “reinvenções da roda” na EdTech, sobretudo nos discursos que professam a “inevitabilidade” das tecnologias digitais (discursos de venda) e têm, infelizmente, sido aceitos e reproduzidos mesmo na academia (tenho aqui um texto em esboço sobre discursos da “inovação”, mas o tédio de escrever sobre isso tem me vencido há anos). São discursos minimamente ingênuos e, no outro extremo, totalmente marketeiros. Realmente, as vozes críticas na EdTech pareceram ser poucas durante muito tempo (notadamente, Neil Selwyn e, posteriormente / em outras paragens, Audrey Watters), mas a questão aqui, creio, é de definição de fronteiras. Há debates em torno do status da própria Educação como campo (no sentido de Bourdieu – veja aqui, por exemplo) – o que dizer sobre a EdTech (ou a Educação e Tecnologia)?

Muitas das noções que circulam tanto na EdTech descrita por Martin, quanto na Educação e Tecnologia (como subárea da Educação), remetem a temáticas e questionamentos que só fui encontrar tratados, com aprofundamento teórico, na Filosofia da Tecnologia e em trabalhos empíricos de áreas mais recentes (por exemplo, no escopo da sociologia digital). É uma área em construção, com muito território para ser explorado (se abordagens críticas são uma novidade para você, veja aqui algumas leituras para um excelente começo). Martin oferece críticas contextualizadas mas pontuais ao longo do texto – como contraponto, recomendo a leitura do blog de Audrey Watters, que, no final de 2019, virou as baterias com decisão contra os discursos vazios da indústria em uma lista comentada dos 100 maiores fracassos da EdTech na última década – esta aí uma leitura que qualquer interessado em EdTech deveria fazer.

Um outro aspecto interessante do livro é que se trata de mais um produto de uma forma de digital scholarship: o autor mantém um ótimo blog há muitos anos, e sua inserção na blogosfera da área permite um tipo de interação continuada com colegas. A construção e gestão de uma “identidade digital” por parte de acadêmicos (via blogs e uso de plataformas de redes sociais) foram assuntos discutido em um de seus livros anteriores, mas são mencionados de pasagem em 25 Years of EdTech.

Na conclusão, Martin se aventura a fazer algumas previsões (comedidas) a partir de algumas “lições” aprendidas em seus 25 de edtechie. Entre elas, a ideia que a tecnologia não é neutra – base para qualquer discussão sóbria e crítica sobre a tecnologia digital.

Bem, foram acima algumas observações dessa leitura aligeirada do dia, mas que será bastante interessante para levar aos mestrandos e doutorandos. Para mim, a reflexão será a seguinte: a “evolução” da EdTech – inclusive conforme sugerida na progressão de artefatos e ideias mostrados no sumário do livro – parece convergir em torno de uma crescente automação da educação. Essa lógica parece também apoiar as múltiplas metáforas que estou identificando em minhas pesquisas atuais.

No capítulo sobre e-Learning, Martin fala sobre os custos da EaD (infelizmente, no Brazil a ideia é que EaD – o que quer que isso signifique – é uma forma mais barata de oferecer educação). No modelo da Open, os custos nunca foram desprezíveis, mas os gastos mais significativos sempre estiveram na produção dos cursos (em equipes), com valores bem menores dedicados à apresentação (gestão geral e apoio tutorial) – aqui há alguns esquemas que mostram como as coisas eram feitas (mudaram um pouco desde 2014, de fato, com aumento significativos da padronização de processos em comparação ao que encontrei em 1998). Martin diz claramente: com a introdução de tecnologias da Web, a divisão dos custos mudou mas não diminuiu drasticamente (p. 46-47). Em um contexto visto a partir de planilhas de gastos nas quais o custo com pessoal (não apenas docentes) é ressaltado, a automação de processos se mostra como algo desejável. Mas essa não é uma tendência apenas de uma instituição, ou mesmo da educação…

Para fechar, um momento nostalgia: a área de trabalho na versão de FirstClass que usávamos no primeiro ano do curso T717 You, your computer and the net, que Martin menciona no livro. Eu adorava a interface, gráfica e com múltiplas janelas (foi mudando ao longo do tempo, com a adição de funcionalidades extra, como “puxadinhos”, que terminaram gerando um aplicativo pesado e não tão bacana de usar). As coisas que guardamos em nossos HD…

Segundo encontro do projeto *Educação, tecnologia e filosofia: diálogos interdisciplinares*

Image result for futuros imaginários barbrook
Image result for superinteligência nick bostrom

Na sexta-feira 04/10, tivemos o segundo encontro dos grupos Filosofia da Tecnologia, coordenado pelo prof. Edgar Lyra, do Dept. de Filosofia da PUC-RioFormação Docente e Tecnologias, ForTec, coordenado pela profa. Magda Pischetola, do Dept. de Educação da PUC-Rio, e o DEdTec. O encontro é uma das atividades pertinentes ao projeto “Educação, Filosofia e Tecnologia: diálogos interdisciplinares”, que é apoiado pelo Instituto de Estudos Avançados em Humanidades, IEAHu, do Centro de Teologia e Ciências Humanas, CTCH da PUC-Rio. Dessa vez, além do prof. Alexandre Rosado do INES, tivemos também a presença (por pouco tempo, infelizmente) do Prof. Ralph Ings Bannell, nosso colega no Dept. de Educação, e, como no primeiro encontro, Magda se juntou a nós por videoconferência.

Deixo aqui apenas algumas notas apressadas: há muito a pensar e explorar, mas acho útil deixar algum registro compartilhado de, pelo menos, algumas partes.

Ainda estamos em fase de tentar estabelecer aquele território compartilhado sobre o qual comentei aqui, e isso ficou bem claro durante a discussão, que, dessa vez, havia sido planejada para explorar a primeira linha temática que identificamos no primeiro encontro: projeções de futuros imaginados (especulação ou futurologia). Assim, propusemos uma pequena seleção de textos sobre AI (Inteligência Artificial) como leituras preparatórias: um trecho do capítulo 6 de Superinteligência, de Nick Bostrom, e os capítulo 4 e 5 de Futuros Imaginários, de Richard Barbrook.

Richard Barbrook é co-autor (com Andy Cameron, in memoriam) do excelente ensaio A Ideologia Californiana (último capítulo publicado neste livro – tradução para o português acompanhada do original em inglês). O autor é um cientista político baseado na Faculdade de Ciências Sociais e Humanidades da Universidade de Westminster, Inglaterra. Pesquisador e ativista de perspectiva marxista, Barbrook atua também junto ao Partido Trabalhista Britânico como militante e consultor. Seu mais recente projeto, Class Wargames (Jogos de Guerra de Classes), apresenta-se como uma “subversão lúdica contra o capitalismo da espetacularização” baseada nas ideias de Guy Debord.

Nick Bostrom é um filósofo baseado na Universidade de Oxford, onde fundou e dirige o Future of Humanity Institute (FHI). Bostrom lista como interesses “ética, filosofia da mente e anthropics” (a descobrir como traduziram isso para o português). Oxford hospeda o renomado Oxford Internet Institute, que, aliás, publicou recentemente um relatório muito interessante sobre processos maciços de desinformação (veja aqui), no qual o Brasil figura como um dos campos de pesquisa examinados. Bem, eu não conhecia nem o FHI, nem o autor proposto pelo Edgar, então fui dar uma olhada no site institucional.

Passando os olhos rapidamente pela página que lista a equipe do instituto, me veio à mente o filme Jogos do Apocalipse (tradução estranha de The Philosophers ou After the Dark nos US of A, que sempre somem com palavras difíceis dos títulos de filmes e livros, por exemplo, o primeiro da série Harry Potter…). No filme, um professor de filosofia propõe a uma turma de formandos do ensino médio uma atividade de role play em cenário apocalíptico, na qual os jovens precisam escolher um número limitado de pessoas que iriam habitar um abrigo e, assim, permitir que a raça humana não desaparecesse. As escolhas são feitas com base em informações sobre profissão/habilidades, sorteadas pelos alunos a partir de papeizinhos contidos em uma caixa preta. A cada rodada os alunos têm que argumentar de forma lógica em sua defesa e negociar sua escolha com o resto do grupo, mas, apesar disso, quase todas as tentativas terminam com o extermínio total do humano.

O que é interessante é ver como os jovens escolhem, defendem e depois interpretam os diferentes papéis: de eletricista a poeta, cantor de ópera, engenheiros de diferentes especialidades, etc. Mais interessante de tudo é como a vida (fictícia) no abrigo difere e, sobretudo, parece melhor quando os escolhidos (se não me engano, na última rodada) são os artistas (ou um grupo majoritariamente de artistas – não lembro de todos os detalhes, quero rever quando tiver tempo), preteridos em encenações anteriores que haviam privilegiado argumentos de base utilitarista (por exemplo, um técnico eletrônico seria mais importante para manter a coisa funcionando do que um cantor de ópera). Por fim, é nesse último cenário que o grupo consegue sobreviver o ano necessário para a mínima descontaminação do mundo exterior.

Pois, o Instituto do Futuro da Humanidade (e que nome…) de Oxford não parece ter nenhum artista, músico, poeta. Apenas formigas sem nenhuma cigarra?

Enfim, como sempre, I digress

Voltando ao assunto: o encontro…

Precisarei ler o livro do Bostrom inteiro para ter uma ideia melhor, pois a parte selecionada focaliza um “cenário de tomada de poder por uma AI” sem discutir porque o objetivo dessa “criatura” seria “tomar o poder”. Acho isso essencial para entender o que o autor pretende, pois a AI poderia ter qualquer outro objetivo, inclusive nada pensado por humanos – com relação a isso, Bostrom faz questão de ressaltar que, sendo “fortemente inteligente” (grifo meu), a AI não iria pensar “nenhum plano tão idiota que mesmo nós, humanos, sejamos capazes de antever como esse plano poderia falhar inevitavelmente”.

É que “tomada de poder” me parece ser algo tão humano… De fato, a ficção tem transferido esse “desejo” para a máquina repetidamente, criando múltiplos cenários de conflito entre criatura e criador, e o cenário de Bostrom me remeteu a várias obras de ficção na literatura e no cinema (do óbvio O Exterminador do Futuro, a A Matrix, os Borg em Jornada nas Estrelas, The Lawnmower Man – no Brasil, recebeu o estranho título O passageiro do futuro -, Transcendence – no Brasil, título Transcendence – a revolução -, Battlestar Galactica e, como sempre, o seminal Frankenstein). Essas obras podem ser vistas como “tendenciosas” no sentido que sempre há pequenas lacunas e espaços para resistência por parte do humano, de diferentes formas (mesmo que seja a hibridização em vez da aniquilação), e o que Bostrom parece (como disse, preciso ler o livro inteiro) querer fazer é pensar a possibilidade de situações criadas por máquinas que, criadas por outras máquinas, teriam escapado das nossas imperfeições. Dá para entender os elogios de Elon Musk a Bostrom: Musk, que enviou para Marte um carro tripulado por um manequim vestido de astronauta (veja aqui uma leitura crítica)…

Há muito a pensar aqui além da necessidade de discutir o porquê da tomada de poder. Será que a ficção, ainda que marcada pelas limitações da imaginação do humano, em seu apelo estético, nos daria bases mais interessantes para discutir questões relativas à AI? Se realmente há medo e preocupação com essa possível “tomada de poder”, até que ponto discussões especulativas e abstratas podem ajudar? Haveria um papel necessário para a mobilização de conhecimentos mais “técnicos” em discussões sobre a viabilidade dessa super AI? Além das hipérboles, há questões mais básicas de significados não compartilhados de termos fundamentais dessas discussões, começando com a própria ideia de “inteligência” (pontuação que o Ralph fez logo no início). É tão fácil ficar perdido em jogos de linguagem nesse cruzamento de discursos tão díspares…

Sugeri que pegássemos o Futuros Imaginários como contraponto ao Bostrom precisamente porque o autor joga um bom “balde de água fria” nas hipérboles associadas à AI, invariavelmente carentes de especificidades contextuais e, sobretudo, históricas. Esses exageros são um problema nas discussões sobre tecnologia na área da Educação, e, para mim é fundamental questioná-los: acho necessário historicizar.

O livro de Barbrook costura uma narrativa pessoal do autor com a história da tecnologia, e seu argumento central fica bem resumido logo no início (versão preprint, p. 6):

As in the mid-1960s, the invention of artificial intelligence and the advent of the information society are still only a couple of decades away. If the prophecy isn’t fulfilled in this generation, then its realisation must take place in the next one. In a continual loop, belief leads to disappointment and failure inspires conviction. The present is continually changing, but the imaginary future is always the same.

Em tradução livre:

Como em meados da década de 1960, a invenção da inteligência artificial e o advento de uma sociedade da informação estão poucas décadas à frente. Se a profecia não se cumpre em uma geração, então o será na próxima. Em um loop contínuo, crença leva à decepção, e fracasso inspira convicção. O presente está sempre mudando, mas o futuro imaginário é sempre o mesmo.

Como qualquer tomada de posição, o argumento de Barbrook não poderia estar inteiramente livre de escolhas (opiniões), mas, minimamente, trata-se de uma argumentação informada por especificidades históricas que permitem contextualizar os discursos sobre a AI – principalmente da indústria que nela aposta. A descrição de um loop é consistente com as evidências que ele traz de suas fontes, além de ser, é claro, consistente com a perspectiva marxista do autor. Daí, talvez, decorra também um aspecto apontado pelo pessoal do Departamento de Filosofia como um problema: há, sim, indicações no texto de uma visão instrumental da tecnologia. Apesar da perspectiva crítica, Barbrook tende a se posicionar como um otimista (veja aqui seu Manifesto Cibercomunista – em inglês).

Em meio à discussão, muitos assuntos foram mencionados, alguns comentados em mais detalhes, outros de passagem. A questão da agência me parece algo fundamental, bem como as concepções de tecnologia mobilizadas (e foram múltiplas), perspectivas sobre a presença de artefatos na educação (que não se restringe a contextos de Educação a Distância – uma visão de senso comum infelizmente também compartilhada na própria área da Educação), enfim, alguns eixos teóricos basais. Talvez precisemos pensá-los: identificá-los, não “defini-los”.

Creio que precisaremos repensar, também, o formato dos encontros, pois o grupo é bem numeroso e inclui estudantes de vários níveis, formações e expectativas. Em particular, temos alunos de graduação, que estão apenas iniciando sua participação em grupos de pesquisa. Os encontros têm um importante aspecto formativo que precisa de atenção.

Apresentam-se desafios maravilhosos. Continuaremos trabalhando neles.